Reeducação Alimentar ou Dieta? Entenda a Diferença e Emagreça Rápido

  •  
  •  
  •  
  •  
  • 38
  •  
    38
    Shares
Reeducação Alimentar ou Dieta? Entenda a Diferença e Emagreça Rápido

Entenda a diferença entre Reeducação Alimentar ou Dieta e aproveite para mudar seus conceitos. Quando você sobe na balança, se frustra com o seu peso e se propõe a emagrecer, qual a primeira alternativa que vem à cabeça para cumprir tal objetivo? Muito provavelmente, controlar o apetite e embarcar com alguma dieta que irá eliminar os incômodos quilos extras. Não se trata de uma decisão tão simples, uma vez que a ideia de cortar alguns, alimentos dos quais você gosta faz com que a medida parece um sacrifício. Mas será que é preciso todo esse sofrimento? Compare a Reeducação Alimentar ou Dieta e tenha um novo ponto de vista O segredo pode estar em trocar o conceito de dieta pelo de reeducação alimentar. A dieta é uma restrição. Pode ser de sódio, no caso de um paciente com hipertensão arterial, ou de açúcar, para quem tem diabetes. Também pode ser uma restrição de calorias para o emagrecimento. A dieta tem início e fim, ao Contrário da reeducação alimentar, que visa não só o emagrecimento, mas uma manutenção do peso. A reeducação alimentar se adapta melhor à rotina e às preferências da pessoa, tornando mais fácil a adesão ao tratamento. Ninguém…

Entenda a diferença entre Reeducação Alimentar ou Dieta e aproveite para mudar seus conceitos.

Quando você sobe na balança, se frustra com o seu peso e se propõe a emagrecer, qual a primeira alternativa que vem à cabeça para cumprir tal objetivo? Muito provavelmente, controlar o apetite e embarcar com alguma dieta que irá eliminar os incômodos quilos extras.

Não se trata de uma decisão tão simples, uma vez que a ideia de cortar alguns, alimentos dos quais você gosta faz com que a medida parece um sacrifício. Mas será que é preciso todo esse sofrimento?

Compare a Reeducação Alimentar ou Dieta e tenha um novo ponto de vista

O segredo pode estar em trocar o conceito de dieta pelo de reeducação alimentar. A dieta é uma restrição. Pode ser de sódio, no caso de um paciente com hipertensão arterial, ou de açúcar, para quem tem diabetes.

Também pode ser uma restrição de calorias para o emagrecimento. A dieta tem início e fim, ao Contrário da reeducação alimentar, que visa não só o emagrecimento, mas uma manutenção do peso.

A reeducação alimentar se adapta melhor à rotina e às preferências da pessoa, tornando mais fácil a adesão ao tratamento.

Ninguém está dizendo que fazer dieta é um erro, porém, é preciso entender a reeducação alimentar como algo maior, que engloba não só os alimentos que você escolhe, como também identificar e mudar hábitos nocivos à mesa.

Com o auxílio dela, virá o emagrecimento e, melhor ainda, com muita saúde! Além do mais, uma alimentação melhor não pode ser vista como um sinônimo de sofrimento. É um processo de transformação e mudanças favoráveis a hábitos alimentares saudáveis, mas sem esquecer a individualidade e o prazer em comer bem.

Proporciona conhecimento para que se possa fazer escolhas no dia a dia, como em restaurante, festa ou bar, entre outras situações. Portanto, tudo tem de ser equilibrado, enquanto nada é estritamente proibido, a menos que haja algum problema crônico de saúde.

A reeducação alimentar, aliás, diminuirá as chances de que algum deles venha a se desenvolver futuramente. 

Como fazer a reeducação alimentar

Como fazer a reeducação alimentar?

Na hora de iniciar um programa de reeducação alimentar, além de escolher bem os alimentos, há sete passos indispensáveis:

Monte pratos coloridos

Alimentos de diferentes cores carregam consigo diferentes nutrientes. Por exemplo: o licopeno, responsável pelo vermelho do tomate, goiaba e melancia, atua contra doenças degenerativas e câncer, enquanto o betacaroteno, presente na laranja e na cenoura, ajuda na produção de vitamina A e fortalece o sistema imunológico.

Não coma enquanto assiste à televisão

É preciso se concentrar no ato de comer. Quem não tira os olhos da tela enquanto realiza suas refeições deve saber que, assim, o organismo demora para perceber que já está satisfeito. O resultado? Você come mais do que gostaria, mas só se dá conta disso tarde demais.

Prefira os produtos integrais

As versões refinadas do açúcar ou da farinha podem até parecer mais saborosas. O problema é que, no processo químico de refinamento, boa parte dos nutrientes vai embora e sobram calorias vazias, que irão saciar menos a fome.

Modere no sal

Ninguém está impedido de temperar a salada com sal. O problema está na quantidade de sal usada. A Organização Mundial de Saúde (OMS) indica menos de 5g por dia, o que dá menos de 1 colher (chá) rasa ou menos de 5 pacotinhos de 1g, daqueles servidos em restaurantes.

Lembrando que alimentos enlatados e embutidos já trazem quantidades grandes de sal, que funciona como conservante.

Leia o rótulo

Não se assuste se, no começo, parecer muito complicado consultar os ingredientes do seu produto favorito. Com o passar do tempo, se tornará um hábito e saber o que se está comendo é fundamental.

Nas embalagens, os ingredientes do produto aparecem sempre de acordo com a quantidade, na ordem decrescente.

Alimente-se de três em três horas

Não é ficando longos períodos sem comer nada que você irá emagrecer. Grandes intervalos entre as refeições deixam o metabolismo mais lento, o que prejudicará a absorção dos carboidratos, que serão depositados na forma de gordura.

Entre café da manhã, almoço e jantar, faça pequenos lanches.

Exercite-se

O corpo humano foi feito para estar em constante movimento. A atividade física irá queimar calorias e liberar na circulação substâncias que provocam prazer, ajudando a lidar até com o estresse.

Curtiu? Então Comenta!!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *