O que é Colesterol, como Controlar e Quais Tratamentos

  • 1
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  • 8
  •  
    9
    Shares
O que é Colesterol, como Controlar e Quais Tratamentos

Uma das principais causas de doença e morte prematura, o diabetes surge quando a insulina falta ou não age como deveria. Daí sobra glicose no sangue.

Não se deixe impressionar pela má fama que o colesterol adquiriu. Todas as células do nosso corpo precisam dele. Uma de suas funções é regular a fluidez das membranas celulares, o que facilita a entrada e a saída de substâncias.

No tecido nervoso, por exemplo, isso interfere na troca de informações entre os neurônios. O colesterol também é matéria-prima para a produção de hormônios, dos sexuais (testosterona e progesterona) ao cortisol, liberado pelas supra renais em situações de estresse.

Participa da síntese de vitamina D, que auxilia o cálcio a se fixar no esqueleto, além dos ácidos biliares, utilizados na digestão das gorduras. Porém, a grande prova de seu valor é que o organismo fornece a maior parcela dele: 70% do colesterol são produzidos pelo fígado.

O restante vem da alimentação, exclusivamente de produtos de origem animal. Logo, colesterol não é sinônimo de doença. Mas podem surgir problemas quando a quantidade em circulação ultrapassa o necessário.

53% dos brasileiros nunca avaliaram seu colesterol, segundo pesquisa

O excedente tende a se depositar nas paredes dos vasos, dando origem – agora sim – a uma doença que recebe o nome de aterosclerose. De evolução lenta e silenciosa, ela se caracteriza pela presença de placas de gordura que endurecem o vaso e estreitam a passagem do sangue no seu interior.

O resultado vai depender do local obstruído pela placa. Se for na artéria coronariana, há risco de infarto agudo do miocárdio, a morte do tecido cardíaco por falta de irrigação.

Sendo na carótida, por onde o sangue chega ao cérebro, pode ocorrer

  • Acidente vascular cerebral
  • Insuficiência renal
  • Insuficiência vascular periférica
  • Disfunção erétil

Estes são alguns dos problemas citados na lista de estragos. Fora isso, níveis altos de colesterol podem aumentar o risco de desenvolver a doença de Alzheimer, que acarreta a morte de neurônios, como demonstrou um estudo da Organização Kaiser Permanente, nos EUA.

Tipos de Colesterol – HDL e LDL

Uma descoberta que valeu aos cientistas Brown e Goldstein um Prêmio Nobel, em 1985, revelou a existência de partículas encarregadas de transportar o colesterol, já que ele não se dissolve no sangue.

As lipoproteínas de baixa densidade (LDL) levam o colesterol do fígado, onde é produzido, e do intestino, onde é absorvido, até os tecidos; enquanto as lipoproteínas de alta densidade (HDL) recolhem o que não foi aproveitado e despejam no fígado para ser processado.

Em função dessas tarefas, a fração LDL foi considerada a mais perigosa e ganhou o apelido de “mau colesterol”. No entanto a culpa não é só dela. A LDL é uma partícula perfeita, que também carrega proteínas e vitaminas para as células.

Mas por ação de fatores como o fumo e a pressão alta, ela se degrada, gruda na parede dos vasos e fica ali retida como espinho no dedo.

Quanto à fração HDL, estudos mostraram que além de remover o colesterol excedente, ela ainda tem a capacidade de evitar a degradação da LDL. Por isso, o HDL é considerado o “bom colesterol”. Logo, para a saúde, o melhor é manter a fração LDL baixa e a HDL alta.

85% dos 2.012 brasileiros entrevistados na pesquisa da Sociedade Brasileira de Cardiologia ignoravam os índices adequados de colesterol

Faça um chek-up

Faça um chek-up para prevenir o colesterol

Como a aterosclerose evolui sem provocar sintomas, para saber se corre perigo você deve conhecer o seu perfil lipídico.

Este exame de sangue dosa o colesterol total e suas frações e o triglicérides, outra gordura que em excesso obstrui os vasos.

E recomendado aos adultos a partir dos 20 anos e, em caso de obesidade ou histórico familiar de colesterol elevado, crianças desde os 10 anos de idade.

Se o resultado for normal, ele deve ser repetido a cada cinco anos. Havendo alteração, a periodicidade será estabelecida pelo médico. Os níveis considerados normais neste exame são:

  • Colesterol total (HDL+ LDL): menor que 200 mg/dl LDL:
    • menor que 100 mg/dL
  • HDL: maior que 40 mg dL (homens) e 50 mg/dL (mulheres)
    • Triglicérides: menor que 150 mg/dL

SE ESTIVER ALTO: O médico deve estimar seu risco de sofrer um infarto ou AVC, avaliando outros fatores como pressão arterial, fumo, diabetes, sedentarismo, obesidade e antecedente familiar.

Para isso ele pode consultar tabelas que combinam essas variáveis e solicitar exames complementares. Dependendo do risco (baixo, alto ou moderado), o tratamento prescrito será mais ou menos rigoroso.

O que causa o colesterol

Dentre os fatores que contribuem para que as taxas de colesterol atinjam índices preocupantes, destacam-se a herança genética e os hábitos de vida em especial, a dieta inadequada.

A hereditariedade responde por 60% dos casos. Filhos de pessoas com LDL alto têm mais chances de enfrentar o mesmo problema, sobretudo quando o quadro se manifesta em idades precoces (antes dos 50 anos).

Se a mãe apresentarem taxas elevadas, o perigo de fazer parte desse time cresce ainda mais. Afinal, são maiores as probabilidades de ter herdado a tendência para ser um grande produtor de colesterol.

Essa alteração no fígado, que atinge um em cada 500 brasileiros, triplica o risco de sofrer uma doença cardiovascular. Aos 40 anos, 25% dos homens desse grupo já podem ter infarto; aos 50 anos, de 25% a 30% das mulheres e, aos 60 anos, 70% das pessoas de ambos os sexos.

Herança genética, dieta rica em comidas gordurosas (carnes gordas e laticínios integrais) e falta de exercícios físicos aumentam os números do colesterol

Daí a importância de identificar logo as pessoas sujeitas a esses distúrbios e iniciar o quanto antes o controle. A pista é possuir mais de um parente direto com o colesterol alto e história familiar de aterosclerose.

A maioria da população não corre esse perigo. Produz o colesterol na medida necessária e metaboliza bem o que é fornecido pela dieta. Mas essa vantagem não dura para sempre.

Com o passar dos anos, pode-se perder a capacidade de limpar o mau colesterol – por isso a idade é um fator de risco para os males do coração. O pior é que isso tem acontecido cada vez mais cedo.

Uma pesquisa do Instituto do Coração (InCor) do Hospital das Clínicas da USP observou que a remoção de gorduras do sangue após uma refeição farta neste componente já fica mais lenta a partir dos 30 anos.

Os voluntários tinham entre 20 e 50 anos, eram saudáveis e não possuíam histórico familiar de distúrbios cardiovasculares. Imagine, então, o estrago que erros alimentares podem fazer em quem já nasce predisposto a ter problemas de colesterol.

Os maus hábitos alimentares que provocam o colesterol

Os maus hábitos alimentares que provocam o colesterol

Os alimentos que fazem as taxas de LDL dispararem são os ricos em colesterol e em gordura saturada. Você ode apostar em uma alimentação saudável para baixar o colesterol. Estudos comparativos mostraram, porém, que as carnes gordas e os laticínios integrais (repletos de gordura saturada) são mais nocivos do que os produtos que trazem o colesterol pronto (como o ovo).

Enquanto estes últimos apenas se limitam a colocar mais dessa substância em circulação, a gordura saturada oferece um prejuízo adicional.

Ela age no fígado, diminuindo a capacidade de tirar de circulação o excesso de LDL. A tendência, então, é que essa fração nociva do colesterol comece a se depositar no interior dos vasos sanguíneos, dando início à aterosclerose.

Uma pesquisa clássica feita sob coordenação de uma equipe da Universidade de Minnesota, nos EUA, demonstrou a relação entre alto consumo de gordura saturada e maior risco de desenvolver doença coronariana.

Durante 12 anos os cientistas analisaram a dieta, o estilo de vida e a incidência de distúrbios cardiovasculares em 12.763 homens de sete países (EUA, Japão, Itália, Grécia, Holanda, Finlândia e iugoslávia).

A conclusão foi que nos locais com alta ingestão de carnes gordas e outros alimentos repletos de gordura saturada houve maior formação de placas de gorduras nas artérias e, consequentemente, maior incidência de males do coração.

Gordura trans causa colesterol

A descoberta de que as gorduras saturadas ofereciam perigo ao coração levou à busca de substitutos para a manteiga e a banha de porco.

Assim surgiram a margarina e os óleos vegetais hidrogenados, que passaram a ser usados pela indústria no preparo de sorvetes, biscoitos recheados, bolos prontos e salgadinhos de pacote.

Até os cientistas perceberem que essa gordura (batizada de trans) provocava dez vezes mais estragos às artérias. Um estudo publicado no New England Journal of Medicine constatou que o consumo diário de 5g de trans aumenta em 25% o risco de ter infarto ou AVC.

Por isso, atualmente ela está sendo removida dos alimentos. A experiência dinamarquesa mostrou que o esforço vale a pena: a redução de 6g em 1976 para 1g a 2g em 2003 na ingestão diária de trans colaborou para uma queda de 50% na mortalidade por doenças do coração.

Por isso, fique atento: leia as embalagens dos produtos e evite tudo o que ainda tiver esse ingrediente.

Fatores que causam o colesterol e pioram as artérias

Fora isso, as mudanças no estilo de vida ocorridas nas últimas décadas contribuem para que os problemas de colesterol se manifestem cada vez mais cedo.

O excesso de peso, decorrente da alimentação cheia de calorias, e o sedentarismo fazem o LDL subir em níveis perigosos e o HDL, o bom colesterol, cair muito ou deixar de cumprir seu papel.

Com isso, adolescentes e até crianças já podem estar com índices acima do recomendado e, portanto, mais vulneráveis a apresentarem distúrbios cardiovasculares.

No caso das mulheres, o estrogênio produzido pelos ovários durante a idade fértil favorece o metabolismo das gorduras. Mas quando o hormônio começa a faltar, nos anos ao redor da menopausa, elas ficam mais sujeitas às elevações do colesterol.

Algumas doenças podem fazer as taxas saltarem, como distúrbios renais, hipotireoidismo e síndrome dos ovários policísticos, e, às vezes, certos medicamentos

Por isso, quando as dosagens no sangue estiverem altas, cabe ao médico excluir essas possibilidades e iniciar o quanto antes o tratamento Intervenções precoces podem derrubar as taxas de LDL, ampliar as de HDL e prevenir o aparecimento de doenças cardiovasculares.

Um estudo feito com 29.972 pessoas de 52 países de cinco continentes, inclusive o Brasil, concluiu que 90% das pessoas que sofrem infarto agudo do miocárdio têm um ou mais fatores de risco associados ao estilo de vida.

Além do “perfil lipídico desfavorável” (como são chamadas as alterações do colesterol), a relação inclui cigarro, obesidade abdominal, inatividade física e dieta inadequada.

Todos são passíveis de modificação. Quanto antes você investir nisso, maiores as chances de proteger seu coração.

10 Alimentos que aumentam o colesterol

alimento colesterol (mg)
Fígado bovino (grelhado) 601
Ovo de galinha (inteiro) 397
Fígado de frango (cru) 341
Ovo de codorna (inteiro) 305
Manjuba frita 270
Lambari frito 246
Camarão (grelhado 241
Manteiga 210
Coração de frango (grelhado) 208
Sobrecoxa de frango assada 158

Porque devo controlar o colesterol

Sabe qual é a maior ameaça que paira hoje sobre o Ocidente? Ponto para quem respondeu: “as doenças cardiovasculares”. Elas matam mais do que o câncer e a violência.

Um em cada três adultos não resiste ao infarto ou ao acidente vascular cerebral (AVC). E adivinhe quem está na raiz desses males o colesterol.

Sem provocar sintomas, ele vai se depositando nas paredes dos vasos sanguíneos até formar placas que obstruem a passagem do sangue para órgãos nobres .Mas é possível evitar esse desfecho, para o bem do coração e do cérebro.

Controlar o colesterol é como investir em previdência privada, você poupa agora para colher os frutos lá na frente. Isso vale para homens, mulheres e até crianças.

Carnes gordas e laticínios integrais oferecem perigo, por isso seu consumo deve ser restrito. Já as frutas e verduras merecem lugar de destaque na mesa

Ironicamente, a geração que poderia viver até os 100 anos corre o sério risco de perder essa vantagem e adoecer até dez anos antes dos pais e avós. Entre outros motivos, pelos hábitos alimentares inadequados e os índices de colesterol nas alturas.

Não que ele seja o único vilão. Cigarro, pressão alta e diabetes, comuns no nosso meio, também agridem os vasos, favorecendo obstruções. E, a bem da verdade, o colesterol nem sempre é vilão Afinal, ele está presente em cada uma das células do corpo, sobretudo no sistema nervoso.

O problema é o excesso. Estima-se que pelo menos 40% dos brasileiros têm taxas acima do recomendado. Aí começa o perigo. Cuidar do colesterol é reconquistar o equilíbrio. Por isso, esqueça as medidas drásticas e as proibições.

Mudanças simples que podem ter impacto positivo na sua saúde e podem prevenir o colesterol. A qualidade de vida não é um conceito abstrato e inatingível, mas está ao alcance de cada um de nós. Confira nas páginas seguintes!

Curtiu? Então Comenta!!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *