7 Alimentos Ricos em Proteínas

7 Alimentos Ricos em Proteínas

Ledo engano imaginar que esta matéria é exclusiva de filés. Embora as carnes sejam, sim, excelentes fornecedores de proteínas, existem algumas espécies vegetais com altíssimo valor protéico e se encaixam no grupo de alimentos ricos em proteínas. Caso da soja e da dupla arroz e feijão, que sobe ao pódio.

Em uma alimentação saudável, repito, a única contra-indicação é a falta de variedade. E como tendemos a ser pouco criativos nas fontes de proteína!

No bê-á-bá da nutrição, esse nutriente é comparado ao tijolo na parede, ou seja, é indispensável na construção dos tecidos, na renovação de todos os nossos órgãos. Cabe à proteína a célebre função de manter os músculos fortes, por exemplo.

Lista com os 7 melhores alimentos ricos em proteínas

Salmão

É a melhor opção de Alimentos Ricos em Proteínas entre os pescados. Sua carne rosada macia, que derrete na boca, não oferece apenas proteína da melhor qualidade, mas um concentrado de substâncias benéficas.

salmão é um dos alimentos ricos em proteínas

O curioso é que uma das razões que torna o salmão assim tão rico é justamente sua dieta. O salmão devora crustáceos de carapaça vermelha, daí sua coloração rosa. Algas marinhas também são suas eleitas.

Cheias de gorduras poli insaturadas, elas seriam responsáveis pelo acúmulo de ômega-3. Este peixe, de regiões gélidas, fornece ainda grandes quantidades de minerais como fósforo e cálcio, uma dupla essencial para ossos e que deixa o esqueleto duro feito rocha.

O salmão possui proteína + ômega-3 + cálcio + fósforo. Eis a rica fórmula deste peixe de águas frias que é indispensável para a saúde, principalmente a do esqueleto.

Proteína de soja

PTS é o nome da “falsa” carne. Estrela em restaurantes vegetarianos, a sigla significa “proteína texturizada de soja”. Deixa claro, portanto, que se trata de um amontoado do nutriente número 1 dos nossos tecidos.

O produto é obtido por meio da exclusão da gordura e de outros componentes da leguminosa, daí o que sobra é quase proteína pura.

soja é um dos alimentos ricos em proteínas

Estudos mundo afora relacionam o consumo deste alimento com a diminuição do risco de doenças cardiovasculares. Então, mesmo os carnívoros inveterados devem experimentá-la.

Há PTS na versão em cubos, que entra na receita de cozidos. Existe também a PTS miúda, perfeita para refogados e quibes. Um bom aliado no momento do preparo é o limão: espremê-lo nas receitas é um dos segredos para dar mais sabor.

A carne-que-não-é-carne aparece em estudos científicos como uma das grandes aliadas contra as doenças cardiovasculares. Para suavizar seu sabor; uma dica é deixá-la de molho em água fervente por 15 minutos.

Patinho

Esqueça a velha sentença de que em um cardápio saudável o bife não tem vez. Não há razão para fugir do boi. Muito pelo contrário. Além da perfeita união de aminoácidos, sua carne é a melhor fornecedora de ferro e um alimento rico em proteína.

O aproveitamento do mineral vindo dela é seis vezes maior que o de vegetais. Isso porque hortaliças, cereais e frutas contêm substâncias que se ligam ao ferro, deixando-o menos solúvel e mais difícil de ser absorvido no intestino.

Já em um suculento filé, não há essa barreira. Portanto, ele é imbatível contra o cansaço. Mas, veja bem, só vale optar por cortes magros, caso do patinho que elegi como campeão com seus 7% de gordura. Bem diferente da picanha, com 20%.

Além de oferecer uma irretocável combinação de proteínas, o patinho está entre as carnes mais magras e oferece uma enorme de quantidade de ferro. Daí ser um corte ótimo contra a anemia.

Arroz e feijão

Como em toda união feliz, a química aqui é perfeita e, no caso, assegura uma preciosa combinação de proteínas. Os grãos de arroz contêm uma farta dose de metionina, e os feijões, por sua vez, oferecem punhados de lisina. Pode apostar no arroz e feijão caso queira colocar em seu prato mais alimentos ricos em proteínas.

Esses nomes esquisitos são pedacinhos proteicos, ou, na linguagem dos especialistas, aminoácidos, que separados não são assim tão eficientes na reparação de tecidos do nosso organismo.

Entretanto, a junção do cereal com a leguminosa resulta numa composição que não deixa nada a desejar em comparação com as carnes. A dica para o casamento dar certo é botar no prato uma concha de feijão para meia escumadeira de arroz.

Quando estão separados, eles não chamam a atenção no que diz respeito a proteína. Entretanto, unidos no mesmo prato, seus aminoácidos se ligam e formam o que os especialistas chamam de proteína de alto valor biológico.

Peru

Na minha opinião, ele é o melhor representante entre as aves e um ótimo candidato a um dos alimentos ricos em proteínas, principalmente para quem anda de olho na balança, já que soma míseras calorias. Mas, por favor, retire a pele antes de saborear porque essa capa engordurada não entra no cálculo.

O peru bem que poderia entrar no cardápio uma vez por semana. Até porque assado, cozido ou até mesmo como recheio de sanduíche sua tenra carne nos presenteia com zinco.

Os homens têm uma razão especial para prestar atenção nesse mineral, ele é um componente indispensável do hormônio testosterona. A criançada também não pode passar sem, já que o nutriente é fundamental para o crescimento.

Ele deve aparecer mais à mesa e não apenas nas festas natalinas. Sua oferta de nutrientes com destaque para o zinco, o torna uma das aves mais nutritivas.

Lombo

O porco foi meio na contramão da onda de obesidade que assola o planeta. Fez dieta e perdeu muitos centímetros de seu toucinho. Esbelto, alguns de seus cortes hoje estão entre as mais saudáveis fontes de proteína.

Se antes os suínos carregavam o peso da banha, agora o lombo está até mais magro do que o frango.

Um de seus grandes atributos é a enorme quantidade de vitaminas do complexo B. Especialmente a tiamina, ou B1. Substância fundamental para o aproveitamento de carboidratos, ela participa da conversão do açúcar em energia e também age no sistema nervoso.

Estudos associam a deficiência dessa vitamina com a fadiga.

O lombo está entre os cortes mais magros do porco. O bom e que a carne suína é uma das maiores fornecedoras de vitaminas do complexo B, que ajudam a manter o pique.

Ovo

A ciência já cometeu belas injustiças. Veja o caso do ovo. Nos anos de 1970, por obra de certos estudos, ele foi acusado de inimigo número 1 do coração. Sua exorbitante quantidade de colesterol foi a responsável por botá-lo no banco dos réus.

Assim, ele foi banido de cardápios metidos a saudáveis por muitos e muitos anos. Agora, assistimos à sua redenção, já que novas pesquisas o livraram da pecha de vilão.

ovo é um dos alimentos ricos em proteínas

Excelente fonte de proteínas ele é considerado padrão ouro pela Organização Mundial da Saúde em valor proteico com destaque para a albumina, a queridinha dos malhadores, o ovo também está repleto de colina, que não é aminoácido, mas uma vitamina do complexo B, que auxilia na consolidação da memória.

Para fechar sua lista nutritiva, temos duas preciosidades: a luteína e a zeaxantina, substâncias que trabalham em prol da visão.

Para quem está com as taxas de colesterol em ordem, o ovo pode entrar, na dieta como uma opção de proteína e traz junto boas doses de colina, uma substância importante para a memória.

Curtiu? Então Comenta!!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *